Metabolitos encontrados no café podem melhorar a saúde óssea

Dezembro 04, 2019

>

2 min. lido

>Salvar

Fonte/Divulgação

Publicado por:

ADICIONAR TÓPICO AOS ALERTAMENTOS DE EMAIL
Receber um e-mail quando novos artigos forem publicados em
Por favor forneça o seu endereço de e-mail para receber um e-mail quando novos artigos forem publicados em .

Inscreva-se

ADICIONADO A ALERTA DE E-MAIL
Você adicionou com sucesso aos seus alertas. Você receberá um e-mail quando um novo conteúdo for publicado.
Click Here to Manage Email Alerts

Você adicionou com sucesso aos seus alertas. Você receberá um e-mail quando um novo conteúdo for publicado.
Click Here to Manage Email Alerts
Back to Healio
Não foi possível processar o seu pedido. Por favor, tente novamente mais tarde. Se você continuar a ter este problema, por favor contacte [email protected]
Voltar para Healio

Metabolismos bioativos siderais encontrados no café podem estar associados a um efeito benéfico na densidade mineral óssea entre adultos saudáveis que relatam o consumo regular de café, de acordo com descobertas publicadas no The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolismo.

Ching-Lung Cheung

“É amplamente conhecido que o café contém cafeína, que comprovadamente afeta adversamente a saúde óssea acelerando a perda de cálcio ou reduzindo a absorção de cálcio”, disse Ching-Lung Cheung, PhD, professor assistente no departamento de farmacologia e farmácia da Universidade de Hong Kong, à Healio. “Apesar do bem relatado efeito adverso da cafeína sobre a saúde óssea, constatações contraditórias foram muitas vezes observadas entre o consumo de café e a DMO em estudos publicados. Nosso estudo epidemiológico em larga escala, envolvendo aproximadamente 7.000 participantes do Estudo sobre Osteoporose de Hong Kong, mostrou que o consumo de café estava associado a uma DMO maior, depois de contabilizar os principais fatores de confusão. Utilizando uma abordagem metabólica, mostramos ainda que alguns poucos compostos bioativos no café podem ser responsáveis pela associação positiva entre o consumo de café e a DMO”

Cheung e colegas analisaram dados de 564 adultos chineses saudáveis participantes do Hong Kong Osteoporosis Study, um estudo de coorte prospectivo iniciado em 1995 para investigar a incidência da osteoporose (81,2% de mulheres; 91,8% de não fumantes). Os participantes foram recrutados entre 2001 e 2010 (coorte 1; n = 329) e as visitas de acompanhamento presencial ocorreram entre 2015 e 2016 (coorte 2; n = 235). Em ambas as visitas, os participantes autodeclararam o consumo de café através de um questionário de freqüência alimentar; os participantes relataram com que freqüência consumiram café durante o ano passado e, em média, quantas xícaras (a 250 ml por xícara) foram consumidas em cada ocasião. Os pesquisadores conduziram um perfil metabólico não direcionado, com amostras de soro em jejum, usando cromatografia líquida – espectrometria de massa. A BMD na coluna lombar e colo femoral foi medida via DXA. Os pesquisadores utilizaram análises de regressão linear e regressão robusta para investigar a associação entre o consumo de café e os parâmetros de BMD.

Para ambas as coortes, 42,4% dos participantes relataram não beber café e 14,4% relataram consumir mais de uma xícara de café por dia.

Metabolitos bioativos siderais encontrados no café podem estar associados a um efeito benéfico na densidade mineral óssea entre adultos saudáveis que relatam consumo regular de café.

Fonte:

Os pesquisadores constataram que 12 metabólitos séricos estavam positivamente correlacionados com o consumo de café, com 5-acetilamino-6-formilamino-3-metilenoglicol (AFMU), quinato, sulfato de 3-hidroxipiridina e trigonelina (N-metilenoglicotinato) mostrando a associação mais forte. Dentre esses metabólitos, 11 estavam previamente associados à ingestão de café e seis estavam relacionados ao metabolismo da cafeína, segundo os pesquisadores.

O metabólito AFMU estava associado à BMD na coluna lombar (P = .013), enquanto que o 3-hidroxipiridrato (P = .027) e trigonelina (P = .043) foram associadas à DMO no colo do fêmur.

Antes de 453 participantes com dados metabólicos avaliados na linha de base e acompanhamento (tempo médio de acompanhamento, 10,3 anos), 11 tiveram uma fratura de quadril após avaliação (sete mulheres). Na análise de regressão de Cox, ajustada para idade, sexo, peso, altura, tabagismo e histórico de fraturas, o maior consumo de café estava associado à redução do risco de fraturas; contudo, os resultados não foram estatisticamente significativos.

Os pesquisadores notaram que a associação inversa, porém insignificante, observada entre o consumo de café e o risco de fraturas do quadril pode ser explicada pelo pequeno efeito do consumo de café sobre a melhora da DMO e pela natureza multifatorial das fraturas do quadril.

“Embora acreditemos que mais estudos devam ser feitos nessa área, nossa mensagem é que o consumo de café não está necessariamente ligado à osteoporose, e pode até estar associado a uma melhor saúde óssea”, disse Cheung. “Neste estudo, identificamos alguns metabólitos que estão associados ao aumento da DMO. Seria interessante investigar se esses metabólitos estão associados causalmente à DMO”. Tal investigação pode levar ao desenvolvimento de um novo suplemento dietético para melhorar a massa óssea”. – por Regina Schaffer

Para mais informações:

Ching-Lung Cheung, PhD, pode ser alcançado na Universidade de Hong Kong, Departamento de Farmacologia e Farmácia, 21 Sassoon Road, Pokfulam, Hong Kong; email: [email protected]

Divulgações: Os autores não relatam quaisquer divulgações financeiras relevantes.

Ler mais sobre

ADICIONAR TÓPICO A ALERTA DE E-MAIL
Receba um email quando novos artigos forem postados em
Por favor, forneça seu endereço de email para receber um email quando novos artigos forem postados em .

Inscreva-se

ADICIONADO A ALERTA DE E-MAIL
Você adicionou com sucesso aos seus alertas. Você receberá um e-mail quando um novo conteúdo for publicado.
Click Here to Manage Email Alerts

Você adicionou com sucesso aos seus alertas. Você receberá um e-mail quando um novo conteúdo for publicado.
Click Here to Manage Email Alerts
Back to Healio
Não foi possível processar o seu pedido. Por favor, tente novamente mais tarde. Se você continuar a ter este problema, por favor contacte [email protected]
Voltar para Healio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.